22 de jun de 2010

Dez Quase Amores - Cláudia Tajes


Acertei em cheio no Desafio Literário de Junho.
Eu pretendia escolher uma literatura leve, engraçada e rápida de ler.
E CONSEGUI!!!!!!!!!!

Dez quase amores de Cláudia Tajes é uma literatura que não pretende mudar a vida de ninguém, apenas divertir.
Não é um tratado de filosofia e nem mesmo tem um final romântico marcante.

O livro tem 10 capítulos onde a autora conta a história de Maria Ana (na primeira pessoa) e seus des quase amores.
São "amores que viraram histórias, histórias que viraram amores, ou quase".
Situações engraçadíssimas que podem acontecer (e algumas até ocorrem) com qualquer uma de nós.
A Maria Ana é hilária e tá sempre pronta a seguir em frente.
Lembra de cada "quase amor" com notas mais divertidas do que românticas.
Um dia basta para ler e rir.
Faltem a terapia e leiam, vai dar resultado mais rápido... eh eh eh
O livro foi lançado em 2000 mas tenho certeza que os quase amores de Maria Ana ainda são bem atuais.

Cláudia Tajes é uma gaúcha de Porto Alegre que se dedica a obras engraçadas como esta, cuja única pretensão é divertir e liberar o stress.
A vida sexual da mulher feia é seu livro mais lido.
Dez quase amores já teve sua versão estrelada no teatro, com Maria Ana e Bejair (primeiro beijo da moça) iniciando a peça. Gostaria de ter visto...

"O homem dos seus sonhos não cometeria a deselegância de se chamar Bejair ou usar alpargatas. Você morreria antes de pensar em ser infiel. Não passa pela sua cabeça namorar alguém que você não goste. E homem casado, nem pintado de ouro. Mais baixeza que isso, só participar de suruba.

Bem-vinda ao clube das mulheres que só estão esperando uma boa oportunidade para mandar suas teorias às favas e passar a viver a vida como ela se oferece. Maria Ana, personagem do livro de estréia da Claudia Tajes, também sonha com o príncipe encantado, mas não é fanática por contos de fadas: enquanto não pinta o homem certo, ela vai se divertindo com os errados.

Dez (quase) amores narra os encon tros e desencontros de uma legítima ´mulher solteira procura´, papel que todas nós já pro tagonizamos um dia. É divertidíssimo. Tem tira das impa gáveis. Puro entretenimento. Um livro reconfortante para quem acha que é o único ser humano do planeta que está sem programa pro sábado. Duvido que seja seu caso, mas se for, o exemplar que você tem em mãos está aí mesmo pra lhe fazer companhia".

2 comentários:

Sweet-Lemmon disse...

Hei! Você escolheu o mesmo livro que eu! Também o achei bem divertido- só esperava um final diferente, sabe? ^.~

Ótima resenha! Bjos!

Vivi disse...

Esse eu li e posso dizer que é divertido pacas. Estou muito feliz de que tenhas gostado da leitura.

Beijocas