20 de fev de 2011

DL2011 - Bilionários por Acaso: A Criação do Facebook

A excitante história de como dois estudantes desenturmados de Harvard, que tentavam aumentar suas chances com o sexo oposto, criaram o site de relacionamento que se tornou uma das mais poderosas empresas do mundo, o FACEBOOK. 

Bilionários por Acaso : A Criação do Facebook é uma aventura real, que envolve investidores poderosos, mulheres maravilhosas, a busca do estrelato social e muitas intrigas. De forma divertida e interessante, narra o fim da inocência no ritmo da criação controversa da rede social que revolucionou a maneira como milhões de pessoas se relacionam.

Eu não estava muito convicta de ler a história do Mark Zuckerberg. Tanto que o livro nem estava na minha lista do DL2011 de fevereiro, mas como meu maninho comprou o livro e estava “a mão”... Eu pensei: “Por que não?”.

Bom, o trabalho de Bem Mezrich é minucioso, a pesquisa parece ser bem detalhada e ele consegue escrever como se fosse uma história de ficção, mesmo assim eu não gostei.

E não foi pelo livro, pelo autor, mas porque realmente eu não tinha interesse na história de Mark Zuckerberg. Depois de ler, se apenas parte da história for real, eu já “anojei”.

Não sou muito fã de biografias, mas quando as leio prefiro ler sobre personalidades que tenham algo para ensinar (como Mozart) ou que tenham superado dificuldades e mostrem força de vontade (como Michael J. Fox).

Este livro me tirou a vontade de ver o filme (que já não era grande). É a história de um cara que aparentemente é amoral e que não vê nada nem ninguém no seu caminho. Passando por cima de amizades, valores e moral apenas para conseguir poder, sexo fácil e dinheiro.

Eu trabalhei algum tempo como programadora de computadores e sei que neste meio, as vezes, somos meio desligados quando estamos trabalhando ou em busca de uma solução de software. Por isso, somos tachados de nerds, antissociais ou algo do gênero. Mas Zuckerberg não é normal (se realmente for do modo que Mezrich retratou).

Ele não apenas se desligou da realidade na criação e manutenção do Facebook, ele me pareceu um cara que fez qualquer coisa para o Facebook ter sucesso. Não me surpreenderia se ele tivesse feito coisas piores. Parece exagero, mas eu tive até pesadelos com ele... eh eh eh

Quando terminei o livro, fiquei com aquela sensação irreal pensando comigo mesma: “isto é real mesmo????”.

Claro que muito do que Mezrich escreveu é o ponto de vista dos gêmeos Winkelevoss e o brasileiro Eduardo Saverin, que supostamente foram lesados por Zuckerberg. Os primeiros na idéia (da rede social) e o segundo que investiu no Facebook dinheiro e foi chutado tão logo começou a “atrapalhar”. Mas tirando os exageros, o cara cresceu muito rapidamente (sem dinheiro nenhum) para não ter pisado em ninguém.

A história relata o início da amizade de Mark e Eduardo, sua vida pouco social em Harvard o início do Facebook. Muitos brilhantes estudantes de Harvard tentavam na época criar redes sociais para facilitar encontros ou amizades entre os próprios estudantes de Harvard. Mark Zuckerberg, aprimorando as idéias dos gêmeos olímpicos Winklevoss com mais algumas idéias suas, e com o dinheiro de Eduardo Saverin, iniciou o TheFacebook. Uma febre entre os estudantes de Harvard que ganhou o mundo rapidamente, espalhando-se como um vírus. Quanto mais crescia, mais estremecida a relação Mark-Eduardo. O que vale mais? A genialidade de Mark, ou o dinheiro de Eduardo investido? O Facebook existiria sem Eduardo? Provavelmente não porque Mark não tinha amigos, só Eduardo. O Facebook existiria sem Mark Zuckerberg? Provavelmente sim, pois mesmo sem ele, os Winklevoss teriam arranjado entre as brilhantes mentes de Harvard um programador para colocar na internet sua idéia.

Entre as biografias de grandes homens da informática sou mais a Estrada do Futuro do Bill Gates, que não deixa de ter poder e dinheiro envolvidos, mas tem bem menos escândalos e bem mais idéias de crescimento.

3 comentários:

Vivi disse...

Oi, Medéia! Excelente resenha. A Rê está lendo esse livro também...depois vou comparar a sua opinião com a dela. No meu caso, peguei uma biografia que está me deixando enojada também. Afe!

Beijocas

lyani disse...

Nossa Medéia!
Eu estava louca pra ler esse livro, mas agora estou em dúvida. Também gosto de livros que tenham algo a ensinar, biografias que inspirem.
De qq forma, sua resenha ficou ótima.
Abraço,
Ly

Mi Müller disse...

Ah eu sempre tive um pé atrás com o MZ, me parece que é muito ego para pouca criatividade e trabalho árduo. Gostei muito da tua resenha porque ela vai além na análise, buscando elementos que contextualizam a obra. Sempre achei que este livro era tendencioso por conta de voltar o olhar para os gêmeos e o brasileiro, mas isso não quer dizer que mesmo tingido com cores parciais não traga verdades.
estrelinhas coloridas...